quinta-feira, 28 de maio de 2015

TRABALHO: VOCÊ TEM QUE SABER DISSO!

6 coisas que você tem de saber 

sobre direitos trabalhistas

Publicado por CHC Advocacia 
 
É comum que se tenha alguma noção sobre o Direito do Trabalho. Como se portar na empresa, o que é justa causa, o que tem direito a receber na rescisão.
Mas o assunto é muito amplo. Existem questões que podem afetar diretamente sua relação de trabalho, e nem todo mundo conhece.
Então, nossos advogados da equipe Trabalhista se reuniram e traçaram seis coisas que você tem de saber sobre Direito do Trabalho.
1. Auxílio Doença Comum vs Auxílio Doença Acidentário
O auxílio doença comum é destinado ao trabalhador já portador de doença, que não tenha relação com a atividade exercida. O auxílio doença acidentário é pago ao empregado quando ele sofre doença ocupacional ou acidente de trabalho.
Atenção:
No caso do auxílio doença acidentário, quando o trabalhador retorna às suas atividades, ele possui estabilidade provisória de 12 meses.
2. Adicional Noturno
O adicional noturno é de 20% sobre a hora diurna e só é válido para empregados que trabalham no período de 22h às 5h.
Aqueles empregados que continuam trabalhando após as 5h também devem ser pagas com o adicional noturno.
3. Faltas e férias
Muita gente se pergunta se as faltas podem ser descontadas nas férias. E a resposta é: sim.
Já sabemos que o trabalhador tem direito a 30 dias corridos de férias a cada 12 meses de contrato, a não ser que falte ao serviço injustificadamente mais de 5 vezes ao ano. Nesse caso, o empregador pode reduzir o período de férias proporcionalmente, como prevê o artigo 30 da CLT.
4. Insalubridade e periculosidade
Outra dúvida frequente é se é possível receber o adicional de insalubridade e de periculosidade ao mesmo tempo. A resposta é: não.
Pode ser que o empregado se encontre em um ambiente de trabalho que ao mesmo o exponha a riscos de saúde e de vida. No entanto, a Justiça do Trabalho entende somente ser devido um dos dois adicionais, e aquele que seja mais vantajoso ao trabalhador, que, no caso, é o de periculosidade.
5. Liberdade na empresa
Existem pessoas que trabalham há 30 anos na mesma empresa, certo? A dúvida é: isso dá a elas total liberdade na empresa? Não. A estabilidade se dá somente contra a dispensa arbitrária pelo empregador.
Então, se o empregado praticar a indisciplina ou negligência com as suas atividades, ele poderá ser dispensado por justa causa de acordo com o artigo 482 da CLT.
6. Descontos de salário
Em caso de prejuízo causados pelo empregado, pode o empregador livremente descontar o seu salário? Não. Conforme o art. 462§ 1º, da CLT, o empregador só poderá proceder dessa forma se o empregado ter agido com dolo, ou seja, com a intenção de causar o prejuízo, ou se houver previsão em convenção coletiva nesse sentido.


Escritório de Advocacia

A Carlos Henrique Cruz Advocacia é composta por profissionais qualificados aliados com os mais de vinte anos de atuação profissional do Dr. Carlos Henrique Cruz, investindo continuamente na qualificação e atualização de conhecimentos de sua equipe. 

ALIMENTAÇÃO: MITOS ALIMENTARES OU ... AFRODISÍACOS NÃO EXISTEM!


 
Você se obriga a tomar 8 copos de água por dia e sempre prefere comer carne de frango à de porco? É daqueles que enchem a cara sem pensar no amanhã? Gasta horrores com comida que nem curte muito só porque tem propriedades afrodisíacas? Então é bom que leia a nossa lista, porque você foi enganado!

Afrodisíacos funcionam

Amendoim, ovo de codorna, pimenta, ostras… Se você costuma investir nesses alimentos achando que têm poderes afrodisíacos, esqueça. É verdade que a pimenta, por exemplo, aumenta a pulsação e induz ao suor, produzindo uma sensação parecida com a da excitação sexual. Mas isso é bem diferente de provocá-la. Os pesquisadores garantem: afrodisíacos não existem. Mas podem funcionar como um placebo. Quer dizer, se você realmente acredita que comer ostra ou pimenta fará com que tenha um desempenho sexual melhor, isso pode acontecer mesmo.

Bebidas alcoólicas não matam por overdose

Ao contrário do mito, consumir uma quantidade de álcool maior do que a que seu corpo consegue metabolizar pode ser fatal. A substância age sobre o sistema nervoso central e desliga áreas cerebrais responsáveis pelo controle da consciência, respiração e batimentos cardíacos, levando ao coma e à morte. A intoxicação depende de fatores individuais, como massa corporal e grau de tolerância à bebida. O estado do fígado também conta: um órgão já avariado sofre mais as conseqüências do álcool. Então, se você é daqueles que bebe sem pensar no amanhã, é bom se ligar nos sinais que seu corpo dá.

O estômago encolhe quando comemos menos

Pensemos: se fosse fácil assim, o estômago de pessoas em coma praticamente desapareceria e ninguém passaria pela complicada cirurgia de redução de estômago. O órgão pode, sim, aumentar quando exageramos, mas diminuir, jamais. O que pode acontecer quando você radicaliza na dieta é seu estômago ficar condicionado a se satisfazer com menos, reduzindo a produção de grelina, hormônio liberado quando o estômago está vazio que faz você sentir fome.

Você deve tomar 8 copos de água por dia

Esse mito é fruto de um baita mal-entendido. De fato, o Conselho Nacional de Pesquisas dos EUA revelou, em 1945, que o consumo diário adequado de água para adultos era de 2,5 litros (o equivalente a 8 copos). Mas a maioria das pessoas ignorou a afirmação que veio depois: “A maior parte dessa quantidade está contida em alimentos preparados”.

Então, se você costumava enfiar goela abaixo os 8 copos de água mesmo sem gostar muito, relaxe. Alimentos como tomate, pepino, chuchu e melancia têm 95% de sua composição em água. Chá, leite, sucos e até café também devem entrar na contagem. Além disso, os 2 litros e meio não são uma regra universal. Tudo depende da saúde de cada pessoa e da temperatura do lugar em que ela vive.

Carne de frango é mais saudável que carne de porco

Não necessariamente. O xis da questão aqui é a forma de preparo. Uma sobrecoxa de frango assada com pele tem 3 vezes mais gordura que um lombo assado; um filé de frango grelhado sem pele tem menos gordura saturada (a que eleva o colesterol ruim), mas o lombinho tem mais ácidos graxos insaturados, além de ser fonte de vitaminas, ferro, potássio e zinco. Se você quer ser saudável, o ideal é evitar frituras e tirar a pele da carne – tanto de frango quanto de porco.

Latas abertas devem ser guardadas na geladeira

O problema das latas não é guardá-las na geladeira, mas manter o resto do alimento dentro delas. Depois de aberta, a lata vai perdendo o verniz interno que protege o conteúdo dos metais tóxicos que constituem a embalagem, podendo provocar intoxicação alimentar. Assim, o ideal é, depois de abrir aquela lata de leite condensado, tirar o produto de dentro e colocar em um pote de vidro ou cerâmica e, aí sim, guardar na geladeira ou em outro lugar. E lembrando: se estiver amassada, o melhor é nem abrir. Pelo mesmo motivo.

Você vai ver ali que chá verde não emagrece, barras de cereais não são assim tão boas para quem pratica exercício e a cerveja não é a grande culpada por aquela barriguinha. 

ARROGÂNCIA: SOBRE PESSOAS QUE "SE ACHAM"

GENTE QUE DEFECA ROSAS
publicado em recortes por Sílvia Marques

Este artigo é sobre pessoas que defecam rosas ou pensam defecar.
7202rosas.jpg
Quando era criança, contei para a minha mãe um acontecimento na escola que envolvia uma garota que era tratada como superior por ser considerada mais bonita do que as outras meninas. Minha mãe virou para mim e me perguntou: “Mas por que ela é melhor do que as outras? Ela defeca rosas?”.
Quase todos os dias me faço esta pergunta: “Algumas pessoas defecam rosas, transpiram Channel 5, arrotam muffins, urinam água de colônia e ficam com um odor espetacular se passarem um dia inteiro sem banho num calor de 35 graus sem ar condicionado? Se deixarem de escovar os dentes, eles não se estragam? Se forem atropelados, não se machucam gravemente ou até mesmo morrem? Se forem esfaqueados, não sai sangue? Na velhice, não terão rugas, cabelos brancos, artrose e lembranças tristes?
Somos fragilíssimos. Seres ridículos como vírus, bactérias e mosquitos nos infectam, nos fazem arder em febre, expelir o que comemos e não importa se comemos filé mignon ou carne de segunda. Seres ridículos nos fazem delirar, enfraquecer, adoecer e morrer.
Se perdemos um filho, não importa a marca do carro, o bairro onde moramos, o cargo que ocupamos. Choraremos as mesmas lágrimas.
A natureza nos fornece milhares de sinais para mostrar o quanto somos limitados e frágeis, o quanto a vida pode se acabar a qualquer momento, o quanto tudo é efêmero. Mas mesmo assim, vemos e ouvimos pessoas que se sentem superiores por terem mais dinheiro, mais beleza, melhor status social. Ainda vemos pessoas que não cumprimentam faxineiras e porteiros porque eles pertencem a outra categoria. A qual categoria eles pertencem? Qual é a grande diferença?
Ainda vemos gente que entrega o pé imundo para a pedicure como se a profissional tivesse a obrigação de mexer na sujeira alheia. Algumas pessoas mal olham também no rosto das manicures e pedicures. Conversar com um taxista é o fim da picada e fazer amizade com gente que mora num bairro mais pobre gera comentários do gênero: “O fulano não pertence ao nosso nível”. A qual nível? A dos defecadores de rosas?
Tem gente que anda de nariz em pé, que só aceita confraternizar com colegas do mesmo nível hierárquico da empresa como se as pessoas fossem divididas pela margem salarial e não por afinidades psicológicas como gostos e crenças em comum.
Será que as pessoas que se recusam a cumprimentar a faxineira, a sorrir para a manicure, a conversar com o taxista, a fazer amizade com o colega pobre defecam rosas? Será que estas pessoas sentem realmente que a “superioridade” delas é real e legítima?
Será que quando elas deixam o banheiro depois de fazer as necessidades fisiológicas, elas respiram fundo para aspirar bem o odor, pensando: “Eu sou demais!? Esta questão me deixa verdadeiramente curiosa.

Sílvia Marques é paulistana, escritora, bacharel em Cinema , professora universitária e doutora em Comunicação e Semiótica..

SAÙDE: TÉCNICAS QUE AUXILIAM NO TRATAMENTO DA DOR

Estudo revela técnica para eliminar a dor: cruzar os dedos
Para pesquisadores, sensação é influenciada pela maneira como as diferentes fontes da dor interagem entre si
Dedos cruzados
Dedos cruzados: estímulos externos podem manipular a sensação de dor de uma pessoa, dizem pesquisadores(VEJA.com/Reprodução)

O simples ato de cruzar os dedos pode afetar a sensação de dor, revelou um estudo publicado nesta quinta-feira no periódico Current Biology. De acordo com os pesquisadores, a sensação é influenciada pela maneira como as diferentes fontes da dor interagem entre si.

Cientistas do Instituto de Neurociência Cognitiva da Universidade Global de Londres utilizaram um experimento chamado "thermal grill illusion". Por meio deste teste, outros pesquisadores demonstraram no passado que, se uma pessoa receber simultaneamente um estímulo de temperatura quente nos dedos indicador e anular e fria no médio, o indivíduo terá percepção de ardor no dedo médio.

Isso acontece porque a sensação de queimação que os dedos indicador e anular enviam ao cérebro bloqueia a atividade que normalmente seria desencadeada pelo estímulo frio no médio.

Dedos cruzados - No presente estudo, cientistas fizeram pequenas variações no teste ao mudar a disposição espacial entre os dedos, e tiveram resultados diferentes. Quando o dedo médio foi cruzado sobre o indicador, a sensação de ardor foi reduzida.

Em outra variação do experimento, o frio foi aplicado sobre o dedo indicador e o calor sobre os outros dois. Neste caso, o ardor aumentou quando os dedos médio e indicador foram cruzados.

Para os pesquisadores, o cérebro usa a disposição espacial dos três diferentes estímulos para produzir a sensação de ardor em um único dedo.

"Essas interações podem valer para uma surpreendente variação de dores", afirma o líder do estudo, Patrick Haggard. "Nossa pesquisa eleva a possibilidade de manipular a sensação de dor de uma pessoa por meio de estímulos externos. Alterar padrões espaciais pode afetar a maneira como a dor é interpretada pelo cérebro."
 Levante-se da cadeira de hora em hora
   (Foto: Thinkstock/VEJA)
Levante-se da cadeira de hora em hora

Permanecer sentado por horas é um conhecido fator de risco para a dor nas costas. "O peso sobre as vértebras de uma pessoa que está em pé é de 10 quilos, mas, ao sentar-se, essa pressão aumenta para 15 quilos", explica Carlos Henrique Ribeiro, presidente da Sociedade Brasileira da Coluna. De acordo com o médico, pessoas que passam longos períodos sentadas devem levantar-se pelo menos a cada hora para reduzir a sobrecarga na coluna. "O ideal é que elas permaneçam 3 minutos em pé. Se puderem caminhar durante essas pausas, melhor." 
Mesmo sentado, movimente-se
  (Foto: Todd Warnock/Getty Images/VEJA)
Mesmo sentado, movimente-se

Outra opção para pessoas que precisam passar muito tempo sentadas é fazer movimentos simples que ajudam a evitar o desgaste dos discos da coluna. Trata-se de exercícios como mudar de posição sempre que possível, torcer o tronco, mexer os pés e pernas e virar o pescoço de um lado para o outro.
Escolha sapatos adequados
   (Foto: Thinkstock/VEJA)
Escolha sapatos adequados

Sapatos de salto muito alto e fino, assim como calçados sem salto algum, podem prejudicar a coluna se usados com muita frequência. O salto alto porque altera o centro de gravidade do corpo. Se, normalmente, o peso de uma pessoa se concentra na parte de trás do pé, com o salto alto essa carga é transferida para a frente. Para compensar esse desequilíbrio, há uma sobrecarga na coluna e um desgaste na cartilagem da região. "Uso de rasteirinhas, por outro lado, exigem mais impulso do pé ao caminhar, o que também afeta negativamente a coluna, podendo provocar dores", diz Carlos Henrique Ribeiro. Sapatos com saltos pequenos, de até 3 centímetros, são os mais indicadas. 
Perca peso
   (Foto: Thinkstock/VEJA)
Perca peso

O excesso de peso sobrecarrega e desgasta a coluna, provocando dores na região, além de aumentar o risco de lesões decorrentes de algum movimento ou atividade física de impacto, como saltar ou correr. Por esse motivo, eliminar os quilos a mais pode ser uma forma tanto de prevenir como de tratar dores nas costas. 
Saia do sedentarismo
   (Foto: Thinkstock/VEJA)
Saia do sedentarismo

O sedentarismo é um grande inimigo da coluna vertebral. A falta de movimento faz com que as células presentes nos discos entre as vértebras morram e percam sua capacidade de regeneração — após uma sobrecarga na coluna ou excesso de tempo de postura inadequada, por exemplo —, aumentando o risco de dor. Isso acontece, como todas as células, as do disco precisam de oxigênio para se manterem vivas, e o oxigênio chega à região somente quando o corpo se movimenta. “É preciso ter muito oxigênio na corrente sanguínea para que pelo menos um pouco dele chegue às células do disco, o que é impossível com o sedentarismo”, diz José Ribamar, médico especialista em dor pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ribamar recomenda que as pessoas procurem orientação profissional antes de começar um exercício para saber se a atividade é indicada para ela e não prejudicará ainda mais a coluna. 
Mantenha uma postura correta
   (Foto: Thinkstock/VEJA)
Mantenha uma postura correta

Manter uma postura correta é importante para que uma pessoa diminua a sobrecarga na coluna provocada por longos períodos em que ela permanece sentada. A posição ideal é aquela em que a coluna está ereta, a planta dos pés totalmente apoiada no chão e em que a dobra dos joelhos forma um ângulo de 90 graus em relação ao piso. No caso de pessoas que trabalham em frente ao computador, recomenda-se que o centro do monitor fique na mesma altura de seus olhos e que seu antebraço fique apoiado na mesa na hora de digitar no teclado. A melhor opção de cadeira são as que não têm apoio dorsal completo — ou seja, que o encosto não envolva todas as costas, o que ajuda a coluna a fazer a sua curvatura normal — e que possuem apoio para os braços.
Faça alongamento
   (Foto: Thinkstock/VEJA)
Faça alongamento

O alongamento diário é uma forma de movimentar o corpo, melhorar a amplitude dos movimentos e evitar a limitação causada pelo sedentarismo. Os alongamentos devem ser feitos como forma de prevenir dores nas costas, e não para conter uma crise. Segundo o ortopedista Wilson Dractu, do Hospital Beneficência Portuguesa, alongar a musculatura da parte posterior da coxa é especialmente importante para proteger a coluna.
Não exagere nos medicamentos
   (Foto: Thinkstock/VEJA)
Não exagere nos medicamentos

Medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios podem ajudar a atenuar as dores nas costas. Como qualquer remédio, porém, o uso dessas substâncias sem acompanhamento médico deve ser feito com cuidado. “Esses medicamentos podem aumentar o risco de dor no estômago e insuficiência renal”, diz Carlos Henrique Ribeiro.
Saiba a hora de procurar um médico
   (Foto: Thinkstock/VEJA)
Saiba a hora de procurar um médico

De acordo com Carlos Henrique Ribeiro, presidente da Sociedade Brasileira da Coluna, dores nas costas devem levar uma pessoa ao médico se passarem a configurar um problema crônico, isto é, quando persistem por mais de quinze dias ou quando os medicamentos analgésicos ou anti-inflamatórios deixam de fazer efeito. "Negligenciar o problema desencadeia limitações na vida do indivíduo, como dificuldades em exercer as atividades profissionais e de lazer", diz Carlos Henrique Ribeiro. Além disso, se uma pessoa não fizer nada em relação à dor crônica, é possível que, no futuro, o único tratamento seja cirúrgico.

(Da redação) 

ECONOMIA: ACREDITE, SEU CARTÃO DE CRÉDITO ESTÁ À VENDA!

Estudo encontra dados de 294 mil cartões brasileiros à venda nas profundezas da web
Relatório elaborado pela Dell listou produtos e serviços, com seus respectivos preços, oferecidos em mercados ilegais
O GLOBO 
Segundo o relatório, país fica atrás apenas dos EUA em número de cartões de crédito comercializados em mercado ilegal na web profunda – WIKIPEDIA
RIO — As ações de hackers como as que vitimaram grandes redes do varejo americano no ano passado tinham uma finalidade: ganhar dinheiro. Os dados roubados não são usados para fazer compras em sites de comércio eletrônico, como muitos podem imaginar, mas para serem vendidos em mercados ilegais na chamada web profunda, onde criminosos conseguem manter o anonimato. O relatório “Underground Hacker Markets”, elaborado no fim de 2014 pela divisão de segurança da Dell, vasculhou um desses endereços e listou os “produtos” oferecidos. Entre as ofertas estavam dados de 294 mil cartões de crédito brasileiros.
“Cartões de crédito roubados dos EUA, Canadá, Reino Unido, Brasil, Argentina e Geórgia parecem ser especialmente abundantes”, diz o relatório, que indica que dados de um cartão podem chegar a US$ 35, com descontos progressivos dependendo da quantidade. “Esse site anunciava que tinha 14 milhões de cartões americanos para venda, 294 mil brasileiros, 342.179 de diversos países, 212.100 do Canadá, 75.992 do Reino Unido, e 26.873 da União Europeia”.
Os preços variam dependendo da quantidade pedida. Um único cartão sai por até US$ 35, mas caso o comprador queira um lote com dez, cada cartão sai por US$ 13. Se o lote for de dois mil números, o preço cai para US$ 9 cada.
Mas não é apenas de dados de cartões de crédito que esses criminosos sobrevivem, eles também comercializam manuais e softwares usados para o crime virtual. Tutoriais que ensinam a hackear caixas eletrônicos ou a realizar ataques de negação de serviço podem ser adquiridos por US$ 1 cada, ou por US$ 30 num pacote com vários guias.
Os pesquisadores encontraram pacotes de malwares com preços que variam entre US$ 20 e US$ 50, que incluem trojans de acesso remoto populares, como o “blackshades”. Esses programas maliciosos permitem que hackers tenham acesso ao computador à distância e roubem informações valiosas, como números de cartões de crédito, senhas e outros dados pessoais.
Para ataques de negação de serviço, os criminosos oferecem o “aluguel” de exércitos de máquinas zumbi, que estão infectadas e podem ser acionadas para derrubar um site na internet. Um pacote com mil máquinas infectadas nos EUA sai por US$ 140, mas se os computadores estiverem na Ásia, o preço é de apenas US$ 4.
Os criminosos também se oferecem para realizar o serviço completo. Um ataque contra um site custa entre US$ 100 e US$ 200, dependendo da reputação do hacker. Ações de negação de serviço são cobrados de acordo com o tempo. Uma hora custa entre US$ 3 e US$ 5, e uma semana custa entre US$ 350 e US$ 600. O doxing, que consiste em reunir o máximo de informações sobre uma determinada pessoa, custa entre US$ 25 e US$ 100.
Leia mais sobre esse assunto

em http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/estudo-encontra-dados-de-294-mil-cartoes-brasileiros-venda-nas-profundezas-da-web-16281609#ixzz3bR6uwm6I
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

CURIOSIDADE: A VIDA DE UMA ABELHA EM 60 SEGUNDOS

Vídeo mostra a vida de uma abelha em 60 segundos
Ana Prado  

Já parou para pensar como é que os insetos passam de larvas nojentas às formas legais (embora algumas sejam ainda nojentas) da vida adulta? O fotógrafo Anand Varma, em parceria com a National Geographic, criou abelhas no seu quintal e deixou uma câmera registrando tudo o que acontecia em suas três primeiras semanas de vida.
O resultado é um vídeo em time-lapse de 60 segundos com um detalhamento impressionante. O objetivo era estudar uma das maiores ameaças à vida desses insetos: um ácaro que os ataca nos seus primeiros 21 dias de vida.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

MAU HÁLITO: SAIBA COMO SE PREVENIR

Cerca de 30% dos brasileiros têm mau hálito; veja como não entrar nesta lista
Márcia Moreno
Do UOL, em São Paulo

 A halitose crônica geralmente é causada pela doença periodontal, resultado da má higienização bucal
A halitose crônica geralmente é causada pela doença periodontal, resultado da má higienização bucal

Cerca de 30% dos brasileiros, aproximadamente 50 milhões de pessoas, têm mau hálito. A informação é da Associação Brasileira de Halitose, baseada em pesquisas realizadas no Brasil.
Halitose ou mau hálito é a liberação de odores desagradáveis pela boca ou mesmo pela respiração. A halitose não é uma doença, mas pode mostrar que há algo de errado no organismo.
“Há mais de 60 causas distintas”, afirma Ivan Stabnov, médico gastroenterologista e endoscopista, do Hospital Adventista Silvestre, do Rio de Janeiro. E em mais de 90% dos casos, a origem se dá na cavidade bucal - acompanhada ou não de alterações sistêmicas como diabetes, distúrbios renais e prisão de ventre, por exemplo.
Alguns alimentos, aliados a ações saudáveis, podem ajudar a combater a halitose.  Os principais, que diminuem e evitam a halitose, são os que ajudam o sistema digestivo e que têm poder adstringente.
Por outro lado, os alimentos também podem ser os vilões da chamada halitose transitória, aquela que se manifesta de repente e desaparece pouco tempo depois, como cebola e alho.
Causas e como combater

A halitose crônica geralmente é causada pela doença periodontal, resultado da má higienização bucal. “A falta de higiene bucal pode acumular placas bacterianas nos dentes e amígdalas e também nas gengivas, causando sangramento, gengivite e periodontite”, afirma Aggio.

A língua também deve ter a nossa atenção na hora da limpeza bucal e deve ser sempre escovada após as refeições. “A saburra lingual, material branco ou amarelado no dorso posterior da língua, é uma massa bacteriana e pode produzir um odor ruim”, diz a dentista Rosa Yana.

“A halitose, quando não cuidada pode tornar-se um problema desagradável, que dificulta as relações pessoais tanto no trabalho quanto na vida íntima”, completa ela.

Entre outras causas da halitose, estão a TPM e a prisão de ventre. A tensão emocional causada no período pré-menstrual pode provocar diminuição da salivação e aumentar a saburra lingual, com consequente mau hálito.
 “Apesar disso, a maioria das mulheres não percebe alteração no hálito no período pré-menstrual e menstrual”, diz Aggio.
E para aquelas pessoas que ficam muito tempo sem evacuar, o mau hálito também pode aparecer. “O organismo pode reagir a essa alteração no funcionamento intestinal gerando odores no hálito”, diz Stabnov.
Os portadores de diabetes também podem desenvolver mau hálito, geralmente cetônico, também relacionado a pessoas que ficam muito tempo em jejum.
Teste do mau hálito

A tecnologia também ajuda no combate a halitose. Existe atualmente um teste desenvolvido no Japão e é utilizado por muitos pesquisadores em vários países. É um dispositivo de análise de saúde oral, já existente em clínicas e laboratórios odontológicos, que mede três gases causadores o mau hálito.

“É um teste que identifica a situação da higiene oral, doença periodontal e distúrbios do sistema gastrointestinal, que ajuda o profissional a orientar o paciente”, conta Aggio. “O mau hálito tem um impacto negativo na vida das pessoas. O ideal é vencer o preconceito e buscar ajudar profissional. A halitose tem cura e deve ser tratada com muito respeito”, acrescenta.

Como alertar anonimamente a quem tem o problema

Avisar alguém que está com mau hálito é uma das situações mais constrangedoras que existe. Para ajudar nesta tarefa meio ingrata, a Associação Brasileira de Halitose (ABHA) criou o serviço "SOS Mau Hálito", que avisa, por meio de e-mail ou carta, quem possivelmente está com o problema - sem revelar quem mandou a informação.
"Numa pesquisa feita por nós em 2008, constatamos que 99% das pessoas que tinham mau hálito, gostariam de ter sido avisadas antes", diz Marcos Moura, presidente da associação e dentista. O serviço já funciona desde 1990. "É uma forma rápida, eficiente e sem traumas de deixar as pessoas a par desta situação". Antigamente o serviço era automático, bastava a pessoa colocar a mensagem e enviar. Hoje em dia, passa por uma triagem.
"Infelizmente ainda tem pessoas que usam o serviço para brincar com um amigo", afirma Moura. Para usar o alerta, basta acessar o site da Associação e entrar no link "SOS Mau Hálito", onde a pessoa escreve os dados de quem receberá a mensagem e se será por carta ou e-mail. ABHA envia por mês, em média, 600 pedidos do serviço. "Acreditamos que estamos beneficiando os portadores de halitose. É provado que quem tem mau hálito não sente, pois há uma fadiga olfatória e as células do nariz se acostumam ao odor", explica Moura.
Ao receber a carta ou e-mail da ABHA sobre o possível mau hálito, o destinatário recebe também uma lista de profissionais indicados pela Associação, que são especialistas no assunto. No próprio site da ABHA, é possível obter várias informações de como combater a halitose. O dia 22 de setembro foi escolhido como o Dia Nacional do Combate à Halitose e serão promovidos vários eventos no Brasil todo para alertar e instruir o público sobre o assunto.
COMO PREVENIR O MAU HÁLITO
Realizar pequenas refeições a cada três horas: jejum prolongado pode comprometer seu hálito
Evitar alimentos que contribuam para o ressecamento bucal (muito salgados, quentes ou condimentados)
Ter uma dieta balanceada, incluindo uso de alimentos duros e fibrosos; evitar álcool e fumo em excesso
Ingerir bastante líquido, de preferência água (média de 2 litros/dia)
Realizar adequada higiene bucal (incluindo limpeza da língua), o uso de fio dental e evitando o uso de soluções para bochecho com álcool na composição
Visitar o dentista semestralmente, prevenindo assim problemas dentários e gengivais (ex: tártaro, sangramentos,etc)
Realizar exames de saúde geral (check-up) anualmente
Praticar atividades físicas
Reduzir o estresse
Fonte: Associação Brasileira de Halitose


CORRUPÇÃO NA FIFA: FALTA DE FAIR PLAY

Entenda o escândalo de corrupção na Fifa

James Reevell
BBC News Credito: AFP
Fifa é alvo de investigações diferentes, uma dos EUA e uma da Suíça
Sete dirigentes da Fifa foram presos na Suíça na manhã desta quarta-feira após serem acusados por suspeitas de corrupção envolvendo um montante de até US$ 150 milhões.
Horas depois, autoridades suíças anunciaram que fariam sua própria investigação sobre o processo de escolha dos países-sede das Copas de 2018 (Catar) e 2022 (Rússia). A polícia suíça entrou na sede da Fifa, em Zurique, e apreendeu provas eletrônicas.
Por que isso é importante?
A Fifa é o órgão responsável pelo futebol mundial. Nos últimos anos, sofreu acusações de corrupção, particularmente no processo de escolha da sede do Mundial de 2022 - o vencedor foi o Catar.
Em dezembro de 2014, a Fifa decidiu não divulgar sua própria investigação de corrupção - que, segundo a entidade, disse que o processo de escolha foi isento. O autor do relatório, o americano Michael Garcia, renunciou ao cargo.
A Copa do Mundo gera bilhões de dólares em receita. As prisões e a investigação lançam dúvida sobre a transparência e honestidade do processo de escolha nos últimos torneios.
Como o Brasil aparece na investigação?
Três brasileiros estão implicados no esquema de corrupção, de acordo com o departamento de Justiça dos EUA.
Um dele é o ex-presidente da CBF José Maria Marin - a nota do Departamento de Justiça não detalha as suspeitas contra ele. A CBF se manifestou a respeito da investigação por meio de nota dizendo que "aguardará, de forma responsável, sua conclusão, sem qualquer julgamento que previamente condene ou inocente."
A Justiça americana diz que José Hawilla, dono da Traffic Group, maior agência de marketing esportivo da América Latina, confessou os crimes. A Traffic é dona de direitos de transmissão, patrocínio e promoção de eventos esportivos e jogadores, além de empresas de comunicação no Brasil. Consultado pela reportagem, o advogado de J. Hawilla, José Luis de Oliveira Lima, afirmou que o dono da Traffic "apoia as investigações e prestou esclarecimentos devidos às autoridades americanas" e está em liberdade nos Estados Unidos.
O terceiro brasileiro investigado pelo FBI é José Lazaro Margulies, proprietário das empresas Valente Corp. e Somerton Ltd., ambas ligadas a transmissões esportivas.
A nota divulgada pela justiça norte-americana afirma ainda que investiga suposto pagamento e recebimento de suborno em um patrocínio "da CBF para uma grande empresa de roupas esportivas dos EUA".
 Credito: Getty
Ex-presidente da CBF, Marin foi preso nesta quarta-feira na Suíça
A Justiça americana também cita a Copa do Brasil, organizada pela CBF, como uma das competições em que poderia ter havido corrupção na negociação de direitos de transmissão e marketing.
A Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil, não é citada especificamente no documento.
Como funcionaria o esquema?
A denúncia afirma que, de 1991 até o momento, autoridades da Fifa se envolveram em vários crimes, incluindo fraude, subornos e lavagem de dinheiro. A Justiça afirma que duas gerações de dirigentes usaram suas posições para fazer parcerias com executivos de marketing esportivo que impediam outros de ter acesso a contratos e mantinham os negócios para eles por meio do pagamento de propinas.
A maior parte dos esquemas, de acordo com o departamento de Justiça, envolve recebimento de propina de executivos de marketing para comercialização de direitos de mídia e marketing de diversas competições esportivas - entre eles Copa América, Libertadores e Copa do Brasil.
Quem são os acusados?
Foram presas figuras-chave do futebol na América Latina, América do Norte e Caribe.
Além dos brasileiros implicados, foi preso o presidente da Concacaf, Jeffrey Webb, visto com um provável sucessor do presidente da entidade, Joseph Blatter.
Uma outra figura-chave é Charles "Chuck" Blazer, ex-representante da Fifa nos EUA, que aparentemente se tornou informante do FBI. Ele confessou ser culpado e já devolveu US$ 1,9 milhão.
Blatter foi preso?
Não. O presidente da Fifa - e homem mais poderoso do futebol mundial - não está entre os citados nos indiciamentos dos Estados Unidos. Mas a justiça americana afirma que os envolvidos estavam a serviço da Fifa - da qual ele é presidente. Até agora, ele não se pronunciou. Blatter tem grandes chances de ser reeleito à Presidência da entidade na sexta-feira.
Credito: AFP 
Blatter anuncia escolha da Rússia para sediar Copa de 2018; escolha causou polêmica
Recentemente, ele foi forçado a negar rumores de que estaria evitando viajar para os EUA porque temia ser preso.
Por que eles foram presos?
O FBI está investigando a Fifa há três anos. As investigações tiveram início por causa do processo de escolha dos países sedes das copas de 2018 e 2022 (Rússia e Catar), mas foi expandida para analisar os acordos da Fifa nos últimos 20 anos.
A acusação do Departamento de Justiça dos EUA diz que a corrupção era planejada nos EUA, mesmo quando era efetuada em outros locais. O uso de bancos americanos para transferir dinheiro é uma peça-chave da investigação.
Por que a Suíça?
É a sede da Fifa - o registro da entidade como instituição de caridade faz com que pague impostos reduzidos.
A Suíça é conhecida como um país onde empresas pouco transparentes são bem-vindas, principalmente em relação a impostos. Mas seu acordo de extradição com os EUA é claro: pessoas envolvidas em crimes podem ser enviadas aos EUA.
Aparentemente, autoridades americanas aproveitaram o que o congresso anual da Fifa fez com que todos se reunissem em um país que não colocaria obstáculos à extradição.
Os suíços também parecem estar indo atrás da Fifa, com três investigações em curso - incluindo uma anunciada hora após as prisões, sobre a escolha das cidades-sede das próximas Copas.
Quanto dinheiro está envolvido?
Muito, supostamente.
A denúncia dos EUA alega a corrupção envolveu US$ 150 milhões, e isso não inclui outras transações pelo mundo. Um relatório anterior sobre corrupção no Caribe, que vazou, afirma que propinas de US$ 40 mil foram pagas a autoridades em envelopes cheios de dinheiro.
Quase toda a renda da Fifa vem da Copa do Mundo, o evento esportivo mais lucrativo do mundo - superando as Olimpíadas. A Copa do ano passado custou ao Brasil cerca de US$ 4 bilhões, e a Fifa lucrou mais de US$ 2 bilhões.
O custo das duas próximas Copas deve ser superior: a Copa do Catar deve custar mais que US$ 6 bilhões.
Só concorrer a sediar a Copa já tem um custo enorme: a federação inglesa gastou 21 milhões de libras para concorrer à Copa de 2018.
As Copas da Rússia e do Catar serão feitas em outros países?
Isso é improvável, mas não impossível.
A denúncia dos EUA aborda casos de corrupção no passado - a Copa de 2010 na África do Sul, por exemplo, é mencionada - mas não futuros. As investigações da Suíça devem ser mais frutíferas em relação a isso, mas seria preciso ter provas contundentes para fazer a eleição outra vez.
 Credito: AFP
Catar enfrenta denúncia de maus-tratos a imigrantes que trabalham em obras da Copa
Mudar a Copa da Rússia seria difícil. Poucos países têm estádios, infraestrutura e dinheiro para sediar o evento em um prazo tão curto. A melhor opção seria a Alemanha, que sediou a Copa de 2006.
O Catar é bem mais vulnerável e foi inundado com denúncias e alegações de corrupção desde que foi escolhido como sede. Mas, mesmo depois de ter visto vários escândalos de corrupção, uma mudança inédita de um torneio de verão para inverno e um escândalo sobre mortes de trabalhadores migrantes, há chances de que eles ainda sediem a competição de futebol mais importante do mundo.
Mas, segundo o procurador americano Kelly T. Currie, a investigação não vai parar por aí.
"Após décadas, segundo a denúncia, de corrupção descarada, o futebol internacional organizado precisa de um novo começo - uma nova chance para suas instituições fazerem uma vigilância honesta e apoiarem um esporte amado pelo mundo. Deixe-me ser claro: essa denúncia não é o último capítulo da nossa investigação", afirmou.